"A Verdade não precisa de defesa; por si mesma ela se defende. A Verdade precisa ser proclamada!"

06 julho 2009

O Que Acha do Dawkins?










Por Mário Persona*

A princípio Richard Dawkins não era conhecido por seu ateísmo, mas por sua contribuição ao meio científico. Embora tenha escrito livros principalmente em defesa da teoria da evolução, ele só virou uma celebridade conhecida fora dos limites científicos e acadêmicos quando passou a criticar a existência de Deus. Seu livro "Deus, um delírio" levou sua popularidade ao status de ídolo dos ateus.

Eu não posso confiar em suas ideias por duas razões. A primeira é que ele me faz lembrar esses pastores que ganham a vida pregando contra a Disney. Adotam a plataforma e saem por aí de púlpito em púlpito dando detalhes das mensagens subliminares escondidas em desenhos animados ou de algum detalhe erótico de um personagem, coisas que só podem ser percebidas se você usar um microscópio, tocar um disco ao contrário ou virar o desenho de ponta cabeça. Se a Disney fechar eles ficam sem assunto.

Embora Richard Dawkins possa não admitir, é graças a Deus que ele tem comida na mesa e carro na garagem. Se não fosse por Deus, seu saldo bancário seria muito menor, tocando a vida como cientista, autor de livros acadêmicos e professor da Universidade de Oxford. Cientistas costumam viver no ostracismo, livros acadêmicos nunca vão para a lista dos best-sellers e ninguém fica rico dando aulas em universidades.

É no seu combate a Deus, à Bíblia e ao cristianismo que reside o sucesso de Richard Dawkins, por isso não posso confiar em tudo o que ele diz. Há interesses demais envolvidos nisso e acaba ficando difícil saber onde acaba o que ele diz por convicção e o que diz por força de contrato. Se é ateu e, portanto, não acredita que existe um Deus a Quem deverá prestar contas, devo crer que não haverá mal algum se ele escrever seus textos deliberadamente para enganar as pessoas. Afinal, se a sua crítica contra Deus não for bem apimentada, que editor vai se interessar?Dawkins ganha dinheiro com Deus e se Deus não existisse ele viveria frustrado e mais pobre. Seu site é na verdade uma loja, não um site de um cientista disposto a divulgar suas descobertas. Tem de tudo ali: livros, CDs, DVDs, canecas, sacolas e camisetas. Na lista dos mais vendidos o item que ocupa o primeiro lugar é um alfinete de lapela com a letra "A" de "Ateu". Quem não usa paletó pode comprar uma camiseta com textos falando mal do Deus que ele diz não existir.Existem cientistas ateus que você nem sabe que são ateus. Simplesmente trabalham, desenvolvem suas pesquisas e não se preocupam muito em tentar provar que Deus não existe. Afinal, por que iriam gastar seu precioso tempo tentando provar que elefantes voadores não existem se eles efetivamente não existem? Há também ateus que não são cientistas, mas são ateus por convicção pessoal e vão vivendo assim, sem se preocuparem em convencer os outros. Mas há ateus que não vivem bem se não conseguirem ganhar algum com isso ou destruir a fé dos que acreditam em Deus, em Cristo, na Bíblia, na Criação etc. Eles simplesmente se sentem incomodados por existirem pessoas que pensam diferente, ou talvez sejam inseguros demais para continuar vivendo sem ver o seu time aumentar. É o caso de Richard Dawkins, que empunha, não a bandeira científica pró-evolução, mas a bandeira religiosa contra-criação. Um cristão não precisa do ateísmo para expressar suas crenças, mas um ateu assim precisa desesperadamente do cristianismo para sua crença fazer algum sentido.

Esta semana um ateu assim deixou uma mensagem criticando um de meus vídeos do evangelho. Entrei em seu perfil do Youtube e descobri que ele faz isso sistematicamente em vídeos cristãos, e em alguns ele deixa uma mensagem aconselhando as pessoas a não perderem tempo com os cristãos.Talvez alguém argumente que os cristãos fazem o mesmo, perturbando todo mundo com sua insistência em provar que Deus existe. Eu diria que essa atitude de um cristão, de querer contar para todo mundo do Deus que ele descobriu, é muito mais coerente com o espírito científico das descobertas do que a atitude do ateu que tenta contar para todo mundo do Deus que não descobriu.

Mas, voltando a Richard Dawkins, eu disse que tinha duas razões para não confiar no que ele diz, e uma é por ele depender de Deus para fazer sucesso. A outra está mais para sua posição como Darwinista. Se ele acredita na evolução e, por conseguinte, na evolução também de seu cérebro, como posso estar seguro de que as conclusões que ele produziu com seu cérebro em processo de evolução sejam definitivas? Talvez seja prudente esperar um pouco mais...
* 1- Texto reproduzido com a autorização do autor e publicado originalmente em O Que Respondi com o título "O que acha do que diz o ateu Richard Dawkins?"
2- A foto não consta da postagem original

2 comentários:

Anônimo disse...

voce não gosta do Dawkins simplesmente por ser um credulo. Como se outras pessoa não tivessem o direito de pensar diferente ou so o seu ponto de vista deverá ser o correto. Se ele está ganhando dinheiro com o ateismo e se pastores como Edir Macedo também fazendo o caminho inverso, isso não tem nada a ver com uma conceção de um entidade sobrenatural onde voce diz "Se não fosse por Deus, seu saldo bancário seria muito menor"
E a sua lógica miserável que diz "Se é ateu e, portanto, não acredita que existe um Deus a Quem deverá prestar contas"
Como disse Einstein " Se somos corretos e bons para não irmos para o inferno ou para recebermos recompensas somos então seres miseráveis."
'

Jorge Fernandes disse...

Anônimo (puxa, como é seguro manter uma identidade secreta!),

Não sou o autor do texto, mas parece que você leu o primeiro e o último parágrafo apenas. E se o fez, o fez exatamente pelos mesmos motivos que alega eu possuir: o de ser crédulo. Por que não leu o texto e analisou-o racionalmente? E refutou-o logicamente? Contudo, você simplesmente fez um ataque ao Edir Macedo (que nem mesmo considero um cristão, e sequer é citado no texto), e justificou as atitudes do Dawkins com o erro alheio, como se, o Edir errando, todos pudessem errar. Mas o foco não é o Edir, o qual não é padrão para nada além dos que comungam com suas patifarias. O foco aqui é Deus e o Evangelho de Cristo. E quanto a isto, você não teceu uma só linha.
Ser ateu é um direito seu, ainda que o considere um direito desperdiçado. Ser crédulo é um direito meu. E desqualificar as pessoas por suas crenças (você é um crente, sabia? Pois sua fé é na não-existência de Deus, a qual não pode ser provada e, portanto, depende de se ter fé) não lhe parece algo despropositado?
O Mário Persona, autor do texto, não xinga ou esculhamba o Darwins, apenas reduz alguns de seus argumentos a falácias intelectuais, ou seja, ele propõe uma discussão de idéias em que desqualifica as idéias de Dawkins e não o Dawkins. Há uma grande diferença. Você, sem propor uma discussão, apenas me desqualifica por eu ser crente. É fácil, né?
Da próxima vez, leia mais de uma linha do texto, e se tiver alguma consideração a fazer, faça-o dentro daquilo que julga ilógico ou refutável no próprio texto.
Sinceramente, Cristo o abençoe!